Cultura

Palácio Maia de 1000 anos é descoberto no México

06/01/2020

author:

Palácio Maia de 1000 anos é descoberto no México

Nas últimas semanas, arqueólogos do INAH – Instituto Nacional Mexicano de Antropologia e História, descobriram um palácio maia de mais de 1000 anos, localizado no sítio arqueológico de Kulubá, em Yucatán, a 160 quilômetros de distância da cidade de Cancún. Toda feita em pedra, a construção tem 6 quartos e faz parte de um complexo de edifícios construído por uma das civilizações mais avançadas e dinâmicas da história da humanidade.

palácio maia 1

A região foi ocupada em 2 períodos: entre 600 e 1500 d.C e, segundo o especialista Alfredo Barrera Rubio – um dos pesquisadores envolvidos na descoberta: “Foi na época chamada de Clássico Terminal que Chichén Itzá, tornando-se uma metrópole de destaque no nordeste de Yucatán, ampliou sua influência sobre locais como Kulubá”.

palácio maia 2

Nos escombros também foram encontrados algumas covas, mas pouco se sabe quem foram estas pessoas e os motivos de suas mortes. No entanto, a equipe irá continuar a investigar a região e, para isto, irá reflorestar os sítios arqueológicos. Desta maneira, os edifícios e artefatos estarão mais protegidos da luz solar direta, vento e outros elementos naturais.

palácio maia 3

A civilização maia

A civilização maia se desenvolveu principalmente na região conhecida como Mesoamérica, que hoje contempla o México e a Guatemala. Politeístas, os maias nos deixaram importantes avanços nas áreas da escrita, arte, matemática, arquitetura e astronomia.

palácio maia 4

O auge desta avançada civilização se deu entre 250 e 900 d.C, até a chegada dos espanhóis. Diferente de outras sociedades antigas, os maias nunca desapareceram completamente. Hoje, seus descendentes formam populações consideráveis em toda a área antiga maia e tentam manter vivos um conjunto de tradições e crenças.

 

Fotos: Instituto Nacional Mexicano de Antropologia e História (INAH)

 

Gostou do artigo?

Siga a gente no Instagram.

Curta a nossa página no Facebook.

Inscreva-se no nosso canal no Youtube.

Comentários do Facebook