Sustentabilidade

Pessoas estão usando um buscador de internet para salvar a Amazônia

2019-08-27

author:

Pessoas estão usando um buscador de internet para salvar a Amazônia

Somente em 2019, já foram registrados mais de 73 mil incêndios na Amazônia – a maior floresta tropical do mundo. Responsável por 20% do oxigênio da Terra, é fundamental que ela sobreviva e prospere e, neste sentido a tecnologia tem sido uma grande aliada. Lançado em 2009, o buscador alemão Ecosia é o Google da sustentabilidade. A cada 45 pesquisas, o site obtém receita suficiente para plantar uma árvore e é assim que as pessoas estão ajudando a salvar a Amazônia.

ecosia 1

No dia 22 de agosto, quando a imprensa internacional começou a reportar fortemente os incêndios na Floresta Amazônica, o site contabilizou mais de 250 mil buscas. A organização sem fins lucrativos, que também conta com vários funcionários brasileiros, trabalha em parceria com o mecanismo de busca Bing – da Microsoft, para fornecer resultados de pesquisa. Anúncios de busca geram lucro para o Ecosia, que é revertido de volta em projetos de plantio de árvores.

ecosia 2

Não podemos esquecer da importância das redes sociais, fundamentais no aumento das buscas, com pessoas espalhando a hashtag #PrayforAmazonia no Twitter. Enquanto o clamor público sobre os incêndios aumenta e os líderes mundiais pedem uma ação imediata, o Ecosia está capacitando o cidadão comum a causar um impacto fazendo algo simples.

ecosia 3

Com serviços em 26 idiomas, o Ecosia já foi responsável pelo plantio de mais de 65 milhões de árvores – em países como Brasil, Senegal, Madagascar e Gana. Atualmente, uma árvore é plantada a cada 1,7 segundo e espera-se que essa performance melhore a cada dia. Se você gostaria de saber mais sobre o serviço proposto por esta organização, assista o vídeo abaixo. São iniciativas como esta que irão transformar o mundo!

 

ecosia 4 ecosia 5

 

 

Fotos: divulgação

 

Gostou do artigo?

Siga a gente no Instagram.

Curta a nossa página no Facebook.

Inscreva-se no nosso canal no Youtube

Comentários do Facebook